Guia de viagem de Tibet

O Tibete é uma região autônoma da República Popular da China. Sua capital é em Lhasa. Localizada no planalto tibetano altamente elevado, é a região mais alta do mundo, às vezes chamada de "teto do mundo" ou "o terceiro pólo da Terra". A altitude média mede mais de 4.000 metros (13.123 pés).

Depois de romper com a Dinastia Qing em 1911 até o ano de 1950, o Tibete era uma nação de fato independente antes de ser reivindicada pela China, da qual faz parte desde então. No entanto, como o Tibete opera como sua própria Região Autônoma, os métodos para visitar o Tibete são bem diferentes daqueles que são necessários quando se visita a China. Não é incomum que o Tibete seja ocasionalmente fechado a todos os viajantes estrangeiros por decisão do governo chinês. Abaixo está um guia destinado a ajudar os interessados ​​em visitar o Tibete, que oferece experiências incríveis, mas pode ser difícil de navegar devido a essas restrições especiais.

4. Por que ir?

Turismo para o Tibete gira em torno de sua paisagem, locais religiosos, tradições, cultura e festivais. O Tibete é o lar do Monte Everest, a montanha mais alta do mundo que compartilha com o Nepal. Alguns locais turísticos notáveis ​​incluem o Palácio de Potala, que é um Patrimônio Mundial da UNESCO tibetano, e residência para o Dalai Lama construída no século VII. O palácio é um importante símbolo do budismo tibetano e seu antigo papel administrativo. O último Dalai Lama residiu no palácio até 1959, quando foi forçado a fugir para a Índia durante a revolta tibetana. O palácio é composto por uma arquitectura única, com um palácio branco e vermelho e mobílias igualmente distintas relacionadas com as culturas e tradições budistas. O palácio é um importante destino turístico dentro do Tibete para os peregrinos e aqueles que estão abertos a explorar as práticas budistas e a apreciar a sua história.

A uma altitude de 29, 029 pés, o Everest é a montanha mais alta do mundo, localizada dentro da cordilheira do Himalaia. A montanha é uma famosa atração turística para alpinistas e caminhantes. O Everest representa desafios para a maioria dos escaladores devido aos fortes ventos, avalanches e doenças da altitude. Antes de subir as montanhas, os turistas são aconselhados a se deslocar em equipes em caso de acidentes e a transportar oxigênio suficiente para chegar ao cume. Desastres naturais podem levar a restrições na escalada de montanhas. Portanto, os turistas precisam verificar com suas agências de viagens para confirmar a acessibilidade. O Museu do Tibete é um importante centro cultural com coleções de artefatos e materiais, como documentos oficiais, livros e selos relacionados à cultura e história do Tibete. Alguns artefatos são tão antigos quanto 50.000 anos, incluindo ferramentas de pedra, ossos e objetos de metal usados ​​pela antiga civilização tibetana. A estrutura do museu em si é uma atração arquitetônica com sua mistura de arquitetura tradicional e moderna. Os artefatos culturais tibetanos exibidos no museu incluem pinturas, esculturas, máscaras, medicina, instrumentos musicais de astronomia e calendários. Outras atracções famosas incluem o Templo de Jokhang, Norbulingka, o Mosteiro de Sera e o Rio Yarlong Tsangpo, o Lago Celestial Namtso, o Mosteiro de Tashilhunpo e o Lago Baksum Tao. Festivais culturais que atraem turistas incluem o Ano Novo Tibetano, o Festival de Oração Monlam, o Festival Saga Dawa e o Festival Shoton.

3. Requisitos Especiais

O Tibete tem regulamentos rígidos para estrangeiros (definidos por qualquer pessoa com um passaporte que não seja chinês), incluindo a aquisição de documentos de viagem especiais, restrições a excursões individuais e a isenção de certos profissionais, como jornalistas, diplomatas e ministros do governo. Há também áreas que são restritas a todos os visitantes, independentemente. Documentos especiais de viagem exigidos por estrangeiros incluem um visto e passaporte chinês, uma permissão de entrada no Tibet, uma permissão de viagem para estrangeiros ou uma licença militar. A aquisição desses documentos exige que os turistas reservem uma excursão com uma agência de viagens chinesa autorizada. Estas organizações ajudam os requerentes na aplicação de licenças do departamento de turismo local. Os cidadãos de Macau e Hong Kong que têm passaporte de SAR não precisam necessariamente de uma autorização de viagem do Tibete. Ao se candidatar a documentos de viagem, é importante que os turistas decidam sobre o período que desejam que a sua turnê dure, pois é ilegal permanecer no Tibete após o término do período de validade da permissão. Para facilitar a aplicação de licenças e documentos especiais, é aconselhável que os turistas não indiquem o Tibete como seu destino para aumentar as chances de inscrições bem-sucedidas.

2. Clima

O Tibete tem um clima rigoroso, com verões frescos e invernos extremamente frios. Sua alta elevação expõe o Tibete a uma radiação solar muito intensa. Meses entre dezembro e fevereiro são os mais frios. Portanto, abril e outubro, durante o verão e o outono, é o melhor momento para visitar o Tibete. Julho e agosto experimentam períodos de sol intenso e temperaturas quentes e são considerados ótimos momentos para apreciar a bela paisagem do Tibete e experimentar a emoção dos eventos festivos durante este período. Os invernos são os piores momentos para visitar o Tibete, devido às fortes nevascas e deslizamentos freqüentes, que provocam o fechamento de algumas estradas, especialmente nas regiões de Kham e Sichuan Ocidental. A localização do Tibete em uma zona sísmica ativa expõe o Tibete a freqüentes terremotos de alta magnitude, especialmente nas zonas de Chayu, Bomi-Medog-Miri, Purang, Rutog, Tsona e Damshung-Lhasa. Às vezes, os fortes terremotos deixam algumas áreas, como aquelas ao redor do Everest, instáveis ​​e, portanto, fechadas de atividades turísticas. Chuvas durante as noites de verão muitas vezes provocam deslizamentos de terra.

1. Segurança

Enquanto viajar para o Tibete é geralmente seguro, assim como em qualquer outro lugar os turistas são incentivados a estar conscientes dos pequenos criminosos. É aconselhável que os visitantes evitem sair à noite e tenham cuidado em áreas lotadas. Indicadores visíveis de riqueza ou que transportam grandes quantias de dinheiro são desencorajados. Para a segurança pessoal, os viajantes devem levar kits de primeiros socorros, protetor solar apropriado para roupas quentes e filtro solar, e medicação para doenças atitudinais. Os visitantes devem carregar todos os seus documentos oficiais e de viagem em todos os momentos para evitar prisões injustificadas. Os documentos servem como documentos de identificação e prova de entrada legal no Tibete. Estes documentos são necessários para garantir a acomodação na maioria das instalações. Os turistas têm que estar na companhia de seus guias durante as visitas a vários lugares no Tibete para poderem ter acesso. Em épocas consideradas ameaçadoras pelo governo, espera-se que os turistas permaneçam com seus guias em todos os momentos. Enquanto no Tibete, os turistas devem ter o cuidado de respeitar normas e tabus culturais. Tais práticas esperadas dos visitantes incluem andar no sentido horário em torno de santuários ou monumentos religiosos, usando tons baixos enquanto perto de áreas religiosas, abstendo-se de cuspir em público ou exibição pública de afeto, respeito aos objetos religiosos e vestir decente (shorts são desencorajados).

Recomendado

As piores erupções vulcânicas da história
2019
Quais países fazem fronteira com o Gana?
2019
Quem são os houthis do Iêmen?
2019