O grande vórtice de lixo do Pacífico

Tamanho e localização

Evidência da ação descuidada do homem, um gigantesco giro de detritos marinhos no centro do Oceano Pacífico Norte é uma grande preocupação para os ambientalistas do mundo. Conhecido como o Grande Vórtice de Lixo do Pacífico, este fragmento de detritos no Oceano Pacífico abrange as latitudes entre 35 ° Norte e 42 ° Norte e longitudes entre 135 ° Oeste e 155 ° Oeste. Embora as partículas de detritos no vórtice não sejam visíveis do espaço e nem visíveis para aqueles navegando ou mergulhando no oceano, devido à extensa quebra dos detritos pelas correntes de vento e água e sua distribuição através de uma vasta área, a realidade representa grande concentrações de plásticos, resíduos químicos e outros resíduos que ficaram presos nas correntes oceânicas do Oceano Pacífico.

Formação

Os cientistas do mundo estimam que o Great Pacific Garbage Patch se formou durante um longo período de tempo. Como os contaminantes dos continentes foram liberados nos oceanos, as correntes provocadas pelo vento forçaram esses detritos a se moverem em direção ao coração do oceano. Durante este processo, o lixo foi dividido em partículas menores, muitas vezes até tamanhos microscópicos. Logo, o lixo coletado dentro de um giro em uma zona relativamente estável no meio do oceano. A força rotacional típica do giro sugou os detritos ao redor, forçando os detritos a permanecerem presos dentro de seu núcleo.

Descoberta e Monitoramento

A primeira indicação da existência do Grande Vórtice do Lixo do Pacífico foi encontrada em um artigo de 1988 publicado pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) dos Estados Unidos, que baseou seus resultados em estudos obtidos de vários outros relatórios anteriores de tais ocorrências. os oceanos do mundo. A grande atenção da mídia em relação a esse trecho de lixo foi, no entanto, desencadeada por Charles J. Moore, um capitão e oceanógrafo de corridas em 1999, quando alegou ter testemunhado grandes trechos de destroços no Oceano Pacífico enquanto participava de uma regata à vela. Desde então, a mídia tem retratado o Great Pacific Garbage Patch como um dos impactos mais devastadores do homem em ambientes marinhos. Atualmente, várias organizações ambientais e sem fins lucrativos do mundo têm monitorado o Great Pacific Garbage Patch, estudando seu tamanho, formação, crescimento e impacto para alertar o público sobre os efeitos nocivos da poluição marinha.

Efeitos ambientais

Os poluentes do Grande Vórtice do Lixo do Oceano Pacífico condenam os habitantes marinhos do Oceano Pacífico. A suspensão de detritos perto da superfície do oceano impede que a luz solar atinja o plâncton e as algas abaixo da superfície da água. A diminuição do crescimento e multiplicação destes plâncton e algas afeta toda a cadeia alimentar do ecossistema marinho. Peixes, tartarugas e espécies marinhas dependentes destes autótrofos para as suas fontes alimentares sofrem uma redução no tamanho das populações e, por sua vez, as espécies aquáticas maiores como baleias, tubarões, peixes maiores que se alimentam dos animais marinhos mais pequenos também começam a morrer devido à fome, desnutrição e estresse. Os detritos de plástico do lixo também são degradados gradualmente pelo processo de foto-degradação, liberando substâncias químicas tóxicas como o bisfenol A na água, o que também tem um impacto adverso nos organismos marinhos. O homem também é finalmente afetado pela poluição marinha, pois agora há menos peixes disponíveis no oceano, levando a preços exorbitantes de peixes no mercado, e as toxinas também entram no corpo humano em grandes quantidades, com base no conceito de biomagnificação.

Limpando

Limpar o Great Pacific Garbage Patch não é uma tarefa fácil. De acordo com algumas estimativas, 67 navios que trabalham durante um ano inteiro podem limpar apenas 1% do Oceano Pacífico. Uma vez que o lixo é tão remotamente localizado, é impossível manter um único país responsável por esta fonte de poluição e, portanto, ninguém está pronto para assumir a responsabilidade de limpar a bagunça. Os ambientalistas também afirmam que a limpeza dos detritos exigiria novas tecnologias. A melhor coisa que pode ser feita nas circunstâncias atuais é, portanto, verificar o crescimento futuro do lixo, descartando o uso de plásticos tóxicos e substituindo-os por materiais biodegradáveis.

Recomendado

Ilhas mais Populadas do Mundo
2019
O que o solo consiste?
2019
Principais rios dos Camarões
2019