O que é uma cidade satélite?

O que é uma cidade de satélite?

Uma cidade-satélite pode ser entendida pensando-se no conceito de um satélite em si. Um satélite artificial é lançado em órbita. Este objeto está dentro da órbita da Terra. Um satélite orbita a terra. No entanto, não faz parte da própria Terra. É exatamente assim que uma cidade-satélite se torna, pois é uma cidade menor que fica perto de uma grande metrópole. Pode até ter um pequeno grau de influência da metrópole próxima. No entanto, pode não fazer parte dessa metrópole. Ou, se faz parte dessa área metropolitana, existe de tal maneira que é única do resto da área metropolitana.

O que faz da cidade uma cidade-satélite?

As cidades satélites diferem das áreas suburbanas e das cidades periféricas de várias maneiras. Algumas cidades satélites podem ser contadas como parte de uma área metropolitana maior. No entanto, essas cidades têm características que as tornam distintas dos subúrbios e das cidades periféricas.

Uma cidade-satélite tem mais autonomia cultural do que áreas suburbanas. Uma cidade-satélite pode ter algumas influências de uma área metropolitana maior. Essas influências, no entanto, não são tão fortes quanto seriam para uma área suburbana. Uma cidade-satélite terá suas próprias comodidades e atributos culturais completamente distintos de uma metrópole maior nas proximidades. As cidades satélites também são distintas em ter suas próprias áreas do centro histórico. São cidades que foram estabelecidas independentemente das grandes áreas metropolitanas próximas. Seu crescimento ocorreu antes que o maior crescimento suburbano ocorresse. Eles sempre existiram como suas próprias cidades separadas.

Qual é a diferença entre uma cidade de satélite e um subúrbio?

Economicamente, uma cidade-satélite se destaca de uma cidade suburbana. Por um lado, as cidades satélites têm uma base de emprego distinta. Uma cidade-satélite tem menos influência econômica de uma área metropolitana maior do que um subúrbio teria. As cidades satélites costumam ter seus próprios distritos comerciais. Este é um produto de cidades satélites que possuem suas próprias áreas centrais. Enquanto algumas pessoas que vivem em cidades-satélite podem ir a uma cidade maior para trabalhar, uma cidade-satélite terá sua própria base separada da área metropolitana nas proximidades.

Cidades satélites têm governos municipais mais fortes do que áreas suburbanas. Eles terão seus próprios núcleos urbanos. Enquanto algumas cidades satélites estão interligadas com grandes áreas metropolitanas, elas serão auto-suficientes. As cidades satélites fornecerão os mesmos serviços municipais que as cidades maiores fornecem. Nesse aspecto, uma cidade-satélite é independente de uma área metropolitana.

Qual é a diferença entre uma comunidade de cidades e dormitórios via satélite?

Cidades satélites não podem ser comunidades de dormitórios. É isso que distingue os subúrbios das cidades satélites. As cidades satélites costumam ter suas próprias comunidades de dormitórios. Eles terão áreas suburbanas com as quais as pessoas irão comutar de e para. As áreas suburbanas servirão como comunidades de quartos para cidades maiores. Uma cidade satélite funcionará de forma semelhante a uma cidade maior.

Uma cidade-satélite terá uma grande separação geográfica de uma grande metrópole próxima. Muitas vezes, há uma considerável extensão de área rural entre uma cidade-satélite e uma metrópole maior. Em outros casos, existem diferentes barreiras geográficas, como um rio largo.

Exemplos de cidades satélites

Cidades satélites são encontradas em todo o mundo. Onde quer que haja uma grande metrópole, uma cidade-satélite pode ser encontrada nas proximidades. Piraeus é uma cidade satélite perto de Atenas, na Grécia. Embora seja considerado parte da área metropolitana de Atenas, o Pireu tem sua própria base econômica. É uma cidade portuária com uma forte economia marítima, separada de Atenas. É uma parte integrante da área de Atenas. No entanto, Piraeus tem seus próprios subúrbios. Esses subúrbios fazem parte da área urbana do Pireu. Piraeus não serve como uma comunidade de quartos para Atenas. Em vez disso, Piraeus é sua própria área metropolitana.

Outro exemplo de uma cidade-satélite é Racine, Wisconsin. Esta cidade é contada como parte da área metropolitana de Milwaukee. No entanto, o crescimento de Racine não veio da expansão suburbana de Milwaukee. Racine desenvolvido de forma independente. Sua economia, embora enraizada na indústria como Milwaukee, desenvolveu-se separada de Milwaukee. Sua cultura é diferente da de Milwaukee. Em vez de ser uma comunidade de quartos para Milwaukee, Racine tem seus próprios subúrbios. Racine tem seus próprios bairros e centro da cidade.

Importância das cidades satélites

Em uma época em que a expansão dos subúrbios se torna grande, as cidades satélites podem ser vistas como uma solução para o problema. Em muitos casos, cidades satélites fazem parte de grandes áreas metropolitanas, mas ainda existem independentemente do núcleo urbano maior. Com a expansão suburbana, as áreas suburbanas e as comunidades de dormitórios são menos auto-suficientes. Embora não façam parte da cidade propriamente dita, ainda se enquadram em um galpão de transporte público. Áreas urbanas podem existir com vários nós. As cidades satélites podem manter economias e serviços auto-suficientes, enquanto ainda estão interconectadas com cidades maiores nas proximidades. Com um melhor planejamento urbano, as cidades satélites poderiam desempenhar um papel na redução da expansão dos subúrbios. O planejamento regional deveria ocorrer com as cidades satélites em mente.

Recomendado

As piores erupções vulcânicas da história
2019
Quais países fazem fronteira com o Gana?
2019
Quem são os houthis do Iêmen?
2019