Prêmios de maior risco em empréstimos por país

A taxa do prêmio de risco de ações para qualquer país é calculada subtraindo a taxa do título do tesouro da taxa de empréstimo. Funciona como um incentivo, ajudando os países a atrair investidores dispostos a assumir um risco um pouco maior de investimento em ações. Em geral, os prêmios de risco são inversamente proporcionais ao ponto de preço para ativos de risco. Quando os prêmios de risco sobem, os preços dos ativos de risco diminuem e vice-versa. Para os investidores, as escolhas de alocação de ativos e as decisões de market timing são essencialmente baseadas na previsão da direção futura dos prêmios de risco em vários mercados de ativos.

Vários fatores são considerados ao se decidir a taxa de prêmio de risco de ações para cada país. O primeiro é o risco econômico: quando a economia de um país está em fluxo, o risco de ações aumentará. O mesmo vale para a política: se a política fiscal ou governamental for instável, o risco de ações aumenta. A volatilidade no PIB também leva a um maior risco de ações. A infra-estrutura e a comunicação também podem influenciar os prêmios de risco de ações de um país: se as empresas não fornecerem informações precisas ou adequadas aos investidores, os prêmios de risco das ações aumentarão. Finalmente, a guerra e as catástrofes ambientais podem ter efeitos devastadores na economia de um país. Nos países em que a catástrofe acontece com frequência ou aconteceu recentemente, o risco acionário geralmente aumenta.

A seguir estão os dez países que atualmente têm as maiores taxas de prêmio de risco do mundo. Embora esses países tenham uma variedade de desafios e histórias econômicas diversas, todos compartilham uma característica: uma economia em fluxo. Os prêmios de risco raramente permanecem estáveis. Para investidores perspicazes, a previsão antecipada e precisa de melhorias futuras na economia de um país em desenvolvimento pode levar a um retorno significativo dos investimentos.

Madagáscar (51%)

Madagáscar lidera a lista, com uma impressionante taxa de risco de 51% nos empréstimos em 2015. Este valor deve-se em grande parte à sua economia em dificuldades, com vários fatores políticos causando instabilidade na indústria, nos serviços e no turismo. A corrupção governamental tem dificultado os esforços para fortalecer e melhorar a economia de mercado. A infra-estrutura é subdesenvolvida: estradas, ferrovias e portos marítimos são todos inadequados. Mais de setenta por cento da população vive na pobreza, ganhando menos de US $ 50 por ano. A economia de Madagascar é baseada principalmente na agricultura, e o país é suscetível a inundações, secas e outros desastres naturais.

Brasil (29, 8%)

Embora o Brasil seja um dos maiores produtores e exportadores agrícolas do mundo, a corrupção e a má administração há muito são um obstáculo para a estabilidade econômica. Sua história tem sido caracterizada por extremos: empréstimos excessivos, gastos excessivos e confiança excessiva no mercado de petróleo altamente volátil provocaram várias recessões devastadoras. A Petrobras, empresa pública de energia do Brasil, foi recentemente envolvida em um escândalo de corrupção que causou uma perda de mais de US $ 30 bilhões.

Serra Leoa (16, 7%)

Serra Leoa é um dos países mais pobres do mundo. Seu governo é altamente dependente da ajuda externa e a maioria dos cidadãos depende da agricultura de subsistência. A guerra civil devastou o país por mais de vinte anos. A corrupção em todos os níveis do governo continua sendo um problema significativo. Contudo, os recentes esforços para reformar e melhorar a indústria de diamantes (uma importante fonte de receita para o país, representando mais de 60% do total das exportações) melhoraram significativamente o futuro potencial económico da Serra Leoa.

Ruanda (13, 3%)

A guerra civil, o genocídio e as tensões e distúrbios contínuos continuam a influenciar a economia em desenvolvimento de Ruanda. Apesar dos aumentos significativos no turismo e nas exportações de café e chá, o nível de pobreza continua alto. Mais de 80% dos ruandeses dependem da agricultura de subsistência, ocasionalmente suplementada por culturas de rendimento. O governo exerce controle sobre os preços por meio de subsídios ao poder e à agricultura, e a corrupção e o enxerto impedem o crescimento econômico e a reforma.

Guiana (11%)

A corrupção generalizada do governo e a fraca aplicação da lei têm sido desafios de longa data para a Guiana. O crime organizado, as drogas e o tráfico de pessoas são desenfreados e os crimes violentos são um grande problema. Restrições legais a novos investimentos e a falta de financiamento acessível de longo prazo impedem o desenvolvimento econômico e o crescimento dos empregos. O sistema bancário é arcaico e ineficiente, e o marco regulatório financeiro precisa urgentemente de reformas.

Quirguizistão (10, 8%)

A República do Quirguistão ainda não se libertou do regime soviético, com remanescentes do antigo sistema comunista ainda em vigor em todo o país. A pobreza generalizada, a fraca aplicação da lei, a agitação política e a violência, bem como o crime organizado, a corrupção e o terrorismo, impediram o país de fazer uma transição pacífica para uma economia de mercado livre. A dívida externa é extremamente alta, e tanto o setor público quanto o privado são altamente dependentes da ajuda externa.

Jamaica (10, 4%)

Embora a Jamaica seja um país de renda média-alta, há muito tempo ela é atormentada por baixo crescimento, alta dívida pública e uma série de desastres naturais que incluem freqüentes atividades de furacões. Desde a década de 1990, o PIB real per capita aumentou apenas uma média de 1% ao ano, muito abaixo do crescimento da maioria dos países em desenvolvimento.

Belize (10, 2%)

A economia de Belize é altamente dependente de exportações e importações. Devido à sua localização no cinturão de furacões, a infraestrutura e as plantações são regularmente danificadas por desastres naturais, como furacões, tempestades tropicais e inundações. O país ainda precisa desenvolver um plano de crescimento econômico de longo prazo; no entanto, um aumento no turismo e a descoberta de petróleo em 2005 podem ter colocado Belize no caminho de ganhos econômicos significativos.

Ilhas Salomão (10%)

As Ilhas Salomão consistem em meio milhão de pessoas espalhadas por 90 ilhas habitadas em uma área remota do Pacífico Sul. É o país mais pobre do Pacífico em termos de RNB per capita. Recursos naturais e opções econômicas são limitados, e os principais mercados estão proibitivamente longe. As mudanças climáticas e os desastres naturais também continuaram afetando o crescimento e a estabilidade econômica.

Angola (9, 7%)

Destruído por uma guerra civil que durou de 1975 a 2002, o progresso econômico de Angola vem melhorando lentamente. Muitas reformas ainda são necessárias, incluindo a diversificação de suas exportações (atualmente, Angola depende muito da indústria do petróleo), melhorando a infraestrutura e enfrentando a pobreza generalizada.

Prêmios de maior risco em empréstimos por país

ClassificaçãoPaísTaxa de prêmio de risco sobre empréstimos em 2015
1Madagáscar51, 0%
2Brasil29, 8%
3Serra Leoa16, 7%
4Ruanda13, 3%
5Guiana11, 0%
6Quirguistão10, 8%
7Jamaica10, 4%
8Belize10, 2%
9Ilhas Salomão10, 0%
10Angola9, 7%

Recomendado

Quem fez a primeira tabela periódica?
2019
Quais são os principais recursos naturais do Lesoto?
2019
Como dizer eu te amo em 20 idiomas
2019